fbpx

COMO VENDER SEU IMÓVEL MAIS RÁPIDO

O investimento em imóveis é um dos mais seguros possíveis. Segundo a revista Exame, a valorização de imóveis ultrapassou o valor de R$ 1,5 tri em apenas um ano. Conforme o IGMI-R (Índice Geral de Preços do Mercado Imobiliário Residencial), o preço médio dos imóveis aumentou cerca de 12,5% no ano de 2021.

A segurança do investimento, somada com a valorização que os imóveis receberam, resultam em um aumento de investidores imobiliários. De acordo com a plataforma digital Papo Imobiliário, o número de clientes investidores dobrou nos últimos dois anos, entre clientes que compram para alugar e os que compram para a revenda do imóvel.

Segundo o G1, o tempo médio entre o anúncio do imóvel até a assinatura do contrato leva em torno de 16 meses. Para muitos clientes, esse tempo pode se tornar muito longo para seu investimento. Para subjugar esta barreira, aqui vão algumas dicas de como vender seu imóvel mais rápido!

1 – Deixe o imóvel pronto para mudança

Segundo Robert Reffkin, CEO da empresa Compass, um dos pontos cruciais para vender o seu imóvel mais rápido é deixá-lo pronto para mudança. Isso aplica-se nas reformas do imóvel, pintura, limpeza e jardinagem. Além de valorizar o imóvel, vai deixá-lo mais atraente na hora da visita do comprador.

2 – Esteja com a documentação em dia

A documentação em dia é um facilitador importante na hora da venda do imóvel. Situações tais como o imóvel não estar averbado; em inventário; ou não estar no nome do vendedor são fatores que podem atrasar a negociação em meses e até mesmo impossibilitam a possibilidade de financiamento do imóvel. Com a documentação devidamente correta, é possível salvar tempo e possíveis transtornos futuros.

3 – Garanta que o imóvel esteja no preço certo

Um imóvel que está dentro do valor de mercado é vendido mais rápido em relação a um que está acima. Este valor pode variar muito dependendo de vários fatores, e um imóvel de acordo com o valor de mercado em uma cidade, pode estar com o valor destoante em outra. Para garantir que o seu imóvel se encontra nesse valor, é recomendado realizar uma avaliação com um corretor de imóveis.

4 – Publique o imóvel com fotos chamativas

Uma foto vale mais que mil palavras” é um ditado popular que é apropriadamente aplicado ao anunciar seu imóvel. Fotos com boa iluminação; ambiente limpo e organizado; e ângulos privilegiados são cruciais para a representação do imóvel. Deixe as janelas abertas, as luzes acesas e objetos pessoais guardados na hora de tirar as fotos!

5 – Divulgue seu imóvel nas plataformas adequadas

Tenha em mente qual o padrão do imóvel à venda e onde seu comprador em potencial possa estar o procurando. Ele lê jornal? Quais? Acessa redes sociais? Qual horário? Encontrar o canal de comunicação entre seu imóvel e o comprador é um fator essencial para agilizar a venda. 

Seguindo essas dicas, é seguro afirmar que o tempo médio de venda do imóvel pode ser reduzido por mais da metade. A Imobiliária Jaeger, com mais de 70 anos de empresa, possui a experiência de mercado e conhecimento necessário para intermediar a negociação e auxiliar a vender seu imóvel mais rápido.

Interessou-se pelas informações? Então, acompanhe nosso site para mais informações do ramo imobiliário!

Publicado em Vendas

Contrato de aluguel: como funciona? O que deve constar no documento?

Um contrato de aluguel é um documento feito para cessão de um bem por um determinado período. Em troca do uso, o locatário (dono do bem) paga ao locador (quem aluga) o valor do aluguel.  Um contrato de locação é um acordo que pode ser feito por duas ou mais partes.

Quando se fala de contrato de locação de imóvel, há uma lei específica sobre esse tema, a lei do inquilinato (nº 8.245/91). Desse modo, a legislação serve para regular um contrato de aluguel de imóvel. Ou seja, a lei determina tudo que é permitido ou não exigir.

É aconselhado o contrato de aluguel seja elaborado por advogado especializado em direito imobiliário ou uma imobiliária, e que ampare todas as questões que podem advir da locação, tais como:

  • Qualificação do envolvidos: são as informações do locador e do locatário. Isto é, os dados pessoais ou das empresas;
  • Descrição dos bens: informações que especificam quais são os bens locados;
  • Tipo de locação e vigência: descrição de como os bens devem ser utilizados e por quanto tempo serão cedidos para aluguel;
  • Valores e condições de pagamento: prazos para pagamento do aluguel, as formas de pagamento, os montantes e os reajustes de aluguel;
  • Garantias: a forma que o locador terá para reaver os valores de aluguel em caso de inadimplência do locatário. Isso ocorre, para que caso não ocorra o pagamento, o contrato de aluguel possa ser cumprido até a realização do despejo do locatário do imóvel, que se dá por meio de ação de despejo.

Além disso, esse contrato serve também como uma forma de evitar conflitos entre o locador e locatário, uma vez que todas as condições foram acertadas anteriormente, além de serem combinadas as condições de rescisão contratual.

Temos normalmente 03 tipos de contrato de aluguel:

  • – A locação comercial; O principal diferencial dessa forma de locação é o fato de que o imóvel destina-se exclusivamente ao desempenho de uma atividade comercial. 
  • – Locação residencial; é a locação feita para moradia.
  • – Locação por temporada; Se destina a locação, à residência temporária do Locatário, seja por motivo de estudo, trabalho, lazer etc.

Muito comum em regiões de praia, residências próximas de pontos turísticos etc. Tem o período de tempo fixo que não pode ser superior a 90 dias, sob pena de descaracterização da temporada. Esse contrato de aluguel em específico, devido a sua natureza tem cautelas especiais.

Cada um com suas peculiaridades. As quais vão desde o tempo do contrato de aluguel e garantias, até a forma de pagamento dos aluguéis.

é comum, que as imobiliárias exijam garantias que protegem o proprietário do imóvel contra inadimplência. Entretanto, não se pode exigir qualquer tipo de garantia, mas apenas as legais.

Tipos de garantias:

  • Caução; é a modalidade na qual o inquilino deposita determinada quantia em dinheiro em uma conta bancária aberta apenas para esse fim
  • Fiança; O fiador, é um terceiro elemento no contrato de locação, que já inclui, naturalmente, o futuro inquilino e o proprietário. É justamente ele quem tem a função de garantir que o acordo seja cumprido da maneira que foi combinado, tendo obrigação subsidiária, respondendo com os próprios bens.
  • Seguro Fiança; A maior vantagem de optar por este tipo de garantia é a dispensa do fiador. É uma garantia contratada pelo locatário para dar segurança ao proprietário do imóvel. Dessa forma, ele substitui outros tipos de garantia, como o caução ou o fiador. Assim, além desses tipos de garantias nas locações, não se pode usar outras. Portanto, verifique se os seus contratos de locação estão conforme a legislação.

Algumas imobiliárias praticam uma garantia por cartão de crédito. Ainda tem-se o título de capitalização. Mas, nesses casos não estariam usando garantia não prevista em lei? Não! Pois tais garantias são modalidades do tipo caução.

Por fim, é importante lembrar que na locação imobiliária proíbe-se exigir mais de uma modalidade de garantia. Ou seja, se optou pela fiança não pode exigir, também, uma caução. Caso contrário, portanto, a imobiliária ou locador cometeria um ilícito civil e criminal.

Sobre a Rescisão de contrato antecipada. Todo contrato deve prever como será a reação dos envolvidos em caso de rescisão antecipada.
Não poderá o locador solicitar o imóvel antes do prazo acordado, sendo esta opção disponível somente para o locatário.

Percebe-se ao longo deste texto a importância de se ter um contrato bem definido. Este contrato servirá como uma segurança entre todos os envolvidos.

Sempre faça um contrato claro e objetivo, conte com a ajuda de uma imobiliária, evitando assim conflitos que poderiam resultar em brigas judiciais, prevenindo as partes de prejuízos e da perda de tempo.

Publicado em Locação

Pintura Predial

Recomenda-se que os condomínios efetuem a pintarem suas fachadas e áreas externas a cada cinco anos. Para que ocorra da melhor forma possível, seja na rapidez, na qualidade do serviço e até no preço acordado, é fundamental entender a necessidade da fachada do local.

Optar por uma empresa independente, a mesma deverá fazer um documento detalhado do que é necessário para a pintura da fachada.

Cronograma da obra: especifica a ordem certa do que deve ser feito e de quanto tempo cada etapa deve demorar

Materiais utilizados: elencar quais devem ser os materiais utilizados e como devem ser aplicados, qual o tipo de tinta, impermeabilizante, etc.

Fechamento de trincas: como as trincas deverão ser tratadas e a quantidade de demãos de impermeabilizante

Equipamento de segurança: deve citar quais são os equipamentos que os colaboradores devem usar, desde cordas e cadeirinhas até os EPI’s (equipamentos de proteção individuais). Esse documento deve ser a base na hora de se pedir o orçamento para as empresas.

Importante lembrar que as próprias empresas de pintura também oferecem esse serviço de checagem, mas os especialistas ouvidos preferiram, sempre, indicar uma outra empresa, prezando pela maior transparência do escopo.

Ao solicitar um orçamento é necessário que as informações sejam a mesmas para todos os fornecedores para poder se basear nessas premissas na hora da escolha. Como são valores altos e um serviço bastante específico, que deve seguir o que estava no escopo, quem for analisar o contrato também deve se atentar a esses detalhes.

Checar o CNPJ e saber se a empresa está em ordem, sem dívidas trabalhistas e previdenciárias, buscar clientes e perguntar como o serviço foi executado, evitando assim surpresas desagradáveis, verificar se a empresa é especializada em pintura de condomínios, já que pintar indústrias, galpões ou outros estabelecimentos é bastante diferente, saber se emitem ART ou RRT para esse tipo de serviço.

Lavagem: o hidro jateamento ajuda a uniformizar e a limpar a superfície externa, deixando-a pronta para o tratamento futuro.

É recomendado que todos os dias das obras, possua alguém acompanhando, seja o síndico, administradora ou zelador para conferir se os colaboradores que estão fazendo o serviço são os mesmos indicados na obra, se estão usando os EPI’s, se os materiais utilizados são os que foram anteriormente acordados e se a obra está acontecendo dentro do cronograma.

A fachada de modo geral a tinta escolhida deve ser acrílica e a base de água e que apenas para cobrir esquadrias deve-se optar por tintas à base de solvente.

Caso seja um outro tom, a pintura pode ser considerada como alteração de fachada e o quórum necessário para aprovar a benfeitoria é de 100% dos condôminos

Geralmente as empresas oferecem garantia de cinco anos pelos serviços prestados, mas nem sempre é essa a regra.

Publicado em Condomínio

A grama do vizinho não precisa ser mais atraente que a sua

Um gramado serve como um pano de fundo para integrar a paisagem e, quando todo em textura uniforme, deixa o ambiente mais bonito. A grama pode ganhar até um cantinho em um apartamento. Porém, em ambos os casos é preciso saber escolher o tipo de grama ideal e cuidar bastante dela. O resultado vai ser uma área bastante agradável com um tapete verde e natural.

O verde é uma cor essencial para ter um pouquinho de casa, e nada melhor do uma bela grama. Muito além de cuidar a grama para que ela esteja sempre verde e bonita, é importante que o tipo seja escolhido com cuidado e pensando no local onde ela será instalada.

Para cada ambiente, seja ele externo ou interno, existe um tipo de grama mais indicado, aqui vamos apresentar alguns tipos de gramas e sua indicação e cuidados.

GRAMA ESMERALDA

A grama esmeralda é originária do Japão, ela apresenta folhas estreitas e pequenas, dispostas em hastes curtas e densas, sua altura pode chegar até 15 cm. Sua cor é um verde intenso, que se intensifica com a adubagem.

Necessitam de sol pleno, não suportando a sombra, irrigação frequente e solo com boa fertilidade, possui fácil manutenção e crescimento lento, além de suportar bem o pisoteio e ter alta capacidade de se restabelecer.

É indicada para locais com tráfego rotineiro, em áreas externas, como jardins residenciais, áreas industriais e é utilizada até mesmo para campos de futebol.

GRAMA SÃO CARLOS

A grama do tipo são carlos apresenta folhas largas e lisas, sem pelos e de coloração verde intensa.

Ela se destaca por ser bem versátil, é uma das poucas espécies que é tolerante ao sombreamento, é bem resistente ao pisoteio e ao frio, exige média fertilidade do solo e é considerada uma grama rústica.

 Pode ser utilizada tanto para fins ornamentais em áreas industriais, chácaras, fazendas e residências como também na implantação de campos esportivos, como campos de futebol, golf e outros.

GRAMA BATATAIS

A grama do tipo batatais possui folhas de coloração verde clara mais alongadas e com pilosidade, seu caule é subterrâneo e as folhas podem chegar até 30 cm de altura, porém o recomendado é pode frequente, sempre que ela chegar a 5 cm.

É um dos cultivares mais rústicos em termos de resistência ao pisoteio e baixa exigência em fertilidade de solo e água, recomendada para situações em que a área a ser formada encontra-se a pleno sol, não suporta a sombra ou áreas com solo úmido ou encharcados.

 Sua recomendação é tanto para campos esportivos como também para jardins, canteiros, contenção de áreas sujeitas a erosão, pátios de máquina ou similares com tráfego constante de máquinas e pessoas e uso como pastagem para equinos, bovinos, ovinos, caprinos, aves e suínos.

GRAMA SANTO AGOSTINHO

A Grama Santo Agostinho, possui folhas planas, estreitas, pequenas e pontiagudas sem pelos, de coloração verde escura e cresce formando uma camada bem densa, seu caule também fica submerso no solo.

Ela é uma grama que se adapta bem em regiões com bastante incidência de luz solar, mas também em regiões de meia sombra. É uma das concorrentes diretas da Grama Bermudas, porém, ela é menos resistente às pisaduras e à seca quando comparada com a Grama Bermudas.

A Grama Santo Agostinho forma um denso gramado e é bastante indicada para jardins, condomínios, para beiras de lagos, piscinas e áreas litorâneas onde há um alto índice de umidade, crescendo bem em regiões de climas Tropicais. Ela é muito utilizada em regiões de pasto e fazendas.

GRAMA BERMUDA

A Grama Bermudas possui folhas estreitas, pequenas e pontiagudas, de coloração verde vivo atingindo cerca de 5 cm de altura.

Deve ser cultivada a pleno sol, em solos férteis, com adubações semestrais e regas regulares, porém, ela resiste bem à seca, portanto, pode sobreviver bem a regas irregulares. É bastante resistente à variações grandes de pH do solo além de tolerar bem a alta salinidade da água e solo e ao pisoteio intenso.

Sendo muito utilizada em campos esportivos, especialmente em campos de golfe, futebol e hípicas, jardins residenciais, condomínios, empresas, parques, beira de piscinas, locais de recreação e Playgrounds.

Agora é com você!! Escolha o tipo de grama que mais se encaixa nas suas necessidades e tenha em casa um ambiente mais aconchegante e bonito.

Se você assim como nós da Imobiliária Jaeger adora dicas de decoração e reforma, acompanhe as nossas publicações e nos siga nas redes sociais.

Publicado em Sem categoria

A acessibilidade e os condomínios

Os condomínios mais novos têm que cumprir as regras de acessibilidade, mas quando se trata de condomínios mais antigos, a questão implica num esforço comum para ajustar. Pois eram construídos sem que fosse dada importância à muitos detalhes, as vagas de garagem era uma delas, afinal a maior parte das pessoas não possuía veículos.

Agora, alguns prédios têm até três vagas para cada unidade. Mas antigamente não apenas as vagas destinadas aos veículos deixaram de ser prioridade em projetos, mas também a acessibilidade não era projetada.

Há empreendimentos em que a porta do hall não permite o acesso de uma cadeira de rodas; há inúmeras escadas, faixas com texturas diferenciadas nos pisos para cegos; enfim, problemas não faltam. Até porque não existem apenas os cadeirantes, mas outro grupo de pessoas que têm mobilidade reduzida, como os idosos ou acidentados, a qual, pode ser provisória ou definitiva.

No Brasil, temos o direito de ir e vir previsto no art. 5º, XV e a previsão de integração das pessoas portadoras de deficiência à vida comunitária, nos termos do art. 203, IV, ambos da Constituição Federal. E antes da Carta de 88 foi editada a Lei 7.405/1985, pela qual foi instituído o “Símbolo Internacional de Acesso”, determinando a colocação desse símbolo “em todos os locais que possibilitem acesso, circulação e utilização por pessoas portadoras de deficiência, e em todos os serviços que forem postos à sua disposição ou que possibilitem o seu uso”.

Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) recomendam atenção ao seu cumprimento.

Depois veio a Lei 10.098 de 19 de dezembro de 2000, regulamentada pelo Decreto 5.296, de 2 de dezembro de 2004, diploma este que teve um impacto maior na sociedade, trazendo direitos e regras a serem cumpridas, mormente indicadas em medidas destinadas ao banimento de barreiras e maior empenho em informação adequada.

Dito Decreto 5.296, também alterou a redação do artigo 4º. do Decreto 3.298, de 20 de dezembro de 1999 e descreve o que são as deficiências física, auditiva e visual:

“Art. 4o ……………………………………………………………..

I – deficiência física – alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções;

II – deficiência auditiva – perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e 3.000Hz;

III – deficiência visual – cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60o; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores”;

Por fim, a Lei 13.146, de 06 de julho de 2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência), que tem por finalidade garantir condições de igualdade e inclusão social às pessoas com deficiência.,

As adequações mais comuns são: alargamento das portas de entrada, feitura de rampas, colocação de corrimão, placas de sinalização e informações. Caso não seja possível a construção de rampas.

As vagas de garagem destinadas aos deficientes físicos devem ser mais largas e mais próximas aos elevadores.

É de suma importância que antes de se realizar essas obras de adequação, o síndico procure por empresas especializadas, visando com isso a atestar a viabilidade das alterações, o cumprimento das regras, os planos urbanos e de diretrizes e, sobretudo se eventualmente podem colocar em risco a edificação.

Antes de escolher pelo imóvel é necessário se certificar se o imóvel atende às suas necessidades ou se é possível a realização da adaptação fática pretendida.

Essas alterações não precisam ser aprovadas em assembleia, afinal têm a finalidade de adequação à legislação existente possibilitando o livre acesso à todos, principalmente se forem de pequenos custos como a colocação de corrimão ou uma rampa. Entretanto, sempre deve priorizar pelo diálogo em prol do interesse comum e esse diálogo pode ocorrer, num primeiro momento através de questionários com sugestões, cujas discussões e aprovações posteriores recomenda-se que ocorram em assembleia, permitindo assim que os condôminos participem das ideias e suas concretizações, mormente se envolverem valores vultuosos.

Publicado em Condomínio

Dicas de Reformas – Isolamento Acústico Residencial

Isolamento acústico é a capacidade de um material em bloquear o som ou ruído entre diferentes ambientes. Ou seja, isola o barulho externo, deixando ruídos do lado de fora do ambiente isolado, o que provoca conforto e melhor qualidade de vida.

Você sabia que entrou em vigor uma lei, a NBR 15.575, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que estabelece índices mínimos de isolamento para pisos, paredes, coberturas e fachadas de construções residenciais. As construtoras têm de contemplar o isolamento acústico.

E para quem está construindo o seu imóvel residencial particular e sem construtora. O que fazer?

O isolamento do ruído aéreo, caracterizado por vozes, trânsito, aviões, construções, fábricas ou música, geralmente é feito com barreiras, como paredes, divisórias, portas ou janelas. Quanto maior o peso ou a massa destes componentes, maior o seu índice de isolamento acústico. Por isso é aplicada a lã de vidro nas paredes e teto.

 Existem várias formas de ter o isolamento acústico em casa e não é preciso investir tanto.

Use materiais fibrosos para absorver o som além de ruídos externos, muitas pessoas também sofrem com ecos e barulhos desagradáveis dentro de casa.

Tapetes, cortinas, almofadas, estofados e mantas.

Se a fonte do barulho é o vizinho do andar de baixo, a dica é criar formas de impedir que o som reflita para o seu apartamento. Para isso, você pode usar mais tapetes e carpetes.

Para quem gosta de plantas, pode utilizá-las ao seu favor, posicione as plantas de maneira estratégica, de modo a criar uma barreira ao local de onde vêm os ruídos externos. Uma boa opção também são os jardins verticais que, além de criar um volume contra a fonte do barulho, absorvem o som impedindo-o de refletir.

Vede as janelas para evitar a entrada de som. Caso esteja construindo ou fazendo uma reforma, pode aproveitar para já instalar janelas com vidro de camada dupla ou tripla, que são ótimas para deixar a casa bem silenciosa. E não se esqueça também de utilizar boas esquadrias para deixar tudo bem vedado e bloquear a entrada de som. As melhores opções e os investimentos mais altos para aprimorar o isolamento acústico do seu imóvel

Lã de Vidro. Produzida a partir de sílica e sódio a altas temperaturas, aglomerados por resinas sintéticas, possui boa eficiência termoacústica e alta resistência ao fogo. É comercializada em rolos ou em painéis, de densidades e espessuras variadas. Entre suas características estão leveza, facilidade de manuseio e de corte, além de ser incombustível (não queima), o que evita riscos de incêndio. Indicada para aplicação nos forros, paredes de drywall (gesso acartonado) e contrapisos.

Lã de Rocha. Produzida a partir de rochas vulcânicas chamadas diábase, é resistente ao fogo. Considerada excelente isolante térmico, permite elevado índice de absorção acústica. Indicada para forros, paredes de drywall, pisos flutuantes, coberturas e para revestir dutos de ar condicionado. O material flexível está disponível nos formatos manta, painel, feltro, flocos e tubo.

Lã de PET. Produzida a partir da reciclagem de garrafas plásticas, com forte apelo sustentável. Resistência ao fogo aceitável para áreas comerciais e residências. Tem bom desempenho termoacústico. Fabricado em diferentes densidades, formatos e dimensões, associa-se a estruturas metálicas e pisos de escritórios, indústrias, galpões, teatros, auditórios, residências, hospitais, escolas e universidades.

Espumas acústicas. Há espumas de poliuretano, que recebem aditivos para retardar o alastramento do fogo e reduzir a produção de fumaça tóxica. Outras espumas acústicas especiais, fabricadas a partir de melamina, são quase incombustíveis, ou têm baixíssimos índices de produção de fumaça tóxica.

Borrachas sintéticas. As borrachas sintéticas são utilizadas nos pisos para absorver ruídos de impacto. Fabricadas a partir de pneus reciclados, têm apelo sustentável.

Painel Wall. É composto por duas camadas de placas cimentícias, sem adição de amianto, com miolo em madeira. De bom desempenho acústico, é normalmente aplicado nos pisos de mezaninos de lojas e combinado com borrachas sintéticas, nos flutuantes. Também usado para isolamentos acústicos de máquinas.

Para quem está trabalhando em Home-office o que mais precisa é de silêncio para ter um bom aproveitamento do dia de trabalho. Trabalhar em casa proporciona uma rotina diferenciada, e ter aqueles barulhos incômodos pode gerar um estresse contínuo.

 Se você, assim como nós, adora dicas e acha super útil. Acompanhe as nossas publicações nas redes sociais. Imobiliária Jaeger Transformando a Realidade.

Publicado em Sem categoria

Garantias de locação: você sabe como funciona e para que serve?

Garantir segurança para proprietário e o inquilino é a principal função das garantias de locação. Ao iniciar um processo de locação de um imóvel o inquilino precisa cumprir algumas regras, apresentar toda documentação que comprove sua identidade e sua renda e pagamento do aluguel em dia. E, para que isso aconteça são necessárias as garantias de locação.

A lei do inquilinato permite que as imobiliárias exijam garantias. Entre as principais estão fiadores, seguro fiança, carta de fiança e título de capitalização.

Fiadores é a garantia mais tradicional no mundo dos aluguei s. O fiador é corresponsável pela locação, caso o inquilino venha  ficar em débitos ou inadimplência seus fiadores serão acionados para que seja realizado os pagamentos.

Geralmente as imobiliárias exigem dois fiadores e para que isso seja possível, eles precisam ter em seu nome imóveis quitados e escriturados e renda três vezes superior ao valor do aluguel.

Fiadores não precisam ter vínculos familiares com os inquilinos, por exemplo o fiador pode ser um amigo, basta que ambas as partes tenham confiança entre si. Os imóveis que constam como garantia da locação podem ser penhorados em caso de o fiador, mesmo após se comprometer como corresponsável, não efetuar o pagamento das dívidas.

Diante das dificuldades em conseguir um fiador as imobiliárias oferecem também o seguro fiança. O qual tem uma variação de valores entre 10 e 12% do valor do aluguel mensalmente. Entre as vantagens estão que esse valor pode ser parcelado pelo inquilino, geralmente no cartão de crédito.

O seguro fiança é como um fiador digital, por meio do qual o inquilino contrata os serviços de uma determinada empresa para que ela faça a garantia da locação. Da mesma forma como acontece com os fiadores, o seguro fiança será acionado assim que for constatada a inadimplência do inquilino. A seguradora por sua vez, tem um prazo que pode ser entre 30 e 60 dias para o pagamento dessa dívida. Lembrando que essa é uma das formas mais seguras e garantidas de recebimentos dos valores de locação, que inclusive são corrigidos, dependendo do tempo em que demoram a serem pagos. O seguro fiança também pode cobrir custos como: vistorias em caso de saída ou despejo e danos ao imóvel, iptu e consumos de água, luz e gás.

Muitas vezes mesmo tendo que investir um valor a mais na locação, muitos inquilinos optam pelo seguro fiança por ser uma forma rápida e mais prática de fechamento.

Muito utilizada por empresas existe também a Carta de Fiança Locatícia, a qual possui diversas vantagens tanto para o proprietário, quanto para o inquilino. Uma delas é a possibilidade de ter um processo de contrato de aluguel mais rápido. Além da garantia de receber o valor do aluguel corretamente sem intercorrências, também é possível incluir garantias extras como contas de luz, água, gás e IPTU. A inclusão de outras despesas reflete em um aumento do valor pago pela empresa ao proprietário do imóvel.

O título de capitalização também é uma opção como garantia. Entre suas principais vantagens estão que o dinheiro volta para o inquilino, desde que não haja problema com inadimplência.

O tamanho do depósito exigido pelas imobiliárias e proprietários é a principal desvantagem em comparação ao seguro-fiança ou fiador. O mínimo aceito hoje é equivalente a seis alugueis, o que pode variar chegando até quinze alugueis. O valor precisa ser depositado no momento da contratação. O resgate também só pode ser realizado com autorização do proprietário ou da imobiliária. Em caso de mau uso do imóvel quem pode resgatar o valor é o proprietário.

Ambas as garantias, fiadores ou seguro fiança, carta de fiança e título de capitalização serão acionados no momento em que o inquilino não cumprir com suas obrigações.

A Imobiliária Jaeger trabalha com as modalidades de garantias descritas no texto acima, oportunizando aos seus clientes facilidades para fechamento de contratos e praticidade ao dia a dia.

Ter experiência e conhecer as garantias são premissas para que os clientes, tanto inquilino como proprietário fiquem satisfeitos com os negócios. E nesse quesito a Imobiliária Jaeger tem 72 anos no ramo imobiliário proporcionando segurança nas negociações.

Publicado em Locação

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais em Condomínios

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) está em vigor desde setembro de 2020, na qual estabelece diretrizes para coleta e armazenamento de dados pessoais. O seu objetivo é de garantir a privacidade de cada cidadão, o que fez com que as empresas tivessem de se adaptar e encontrar novas formas de lidar com as informações que obtêm de seus clientes. Nos condomínios também é preciso se adequar à lei, que poderá gerar sanções administrativas, incluindo multas, para as organizações que as descumprirem a contar do mês de agosto.

Os principais pontos para entender e avaliar o tratamento de dados no condomínio:

  • Levantar quais dados pessoais são tratados pelo condomínio, incluindo os possíveis dados de condôminos, visitantes e colaboradores;
  • Entender quem de fato precisa ter acesso aos dados, limitando esse acesso ao menor número possível de pessoas;
  • Avaliar a segurança envolvendo o armazenamento desses dados, aprimorando-a se for necessário.
  • Definir um prazo adequado para o descarte seguro dos dados.

Alguns documentos que podem ser adotados pelo condomínio:

  • Acordo de confidencialidade com porteiro, zeladores, seguranças e demais colaboradores;
  • Política interna de privacidade, delineando as regras e a finalidade do tratamento de dados de condôminos e funcionários;
  • Manual para os colaboradores com orientações a respeito da coleta e tratamento de dados pessoais.

Além de servirem como forma de esclarecer e orientar a respeito do tratamento de dados, esses documentos e políticas também ajudam a comprovar que o condomínio adota boas práticas de proteção. É fundamental adequar contratos com colaboradores e empresas terceirizadas para que contenham cláusulas e regras específicas relacionadas à LGPD. A ideia é que o contrato deixe claro as responsabilidades de cada um, destacando o comprometimento das partes com a legislação e a proteção de dados. Todos os envolvidos devem se comprometer com práticas de conformidade e adequação à LGPD.

É possível tratar dados pessoais com base em outras justificativas, como o cumprimento de obrigação legal ou regulatória. Por exemplo no caso de dados de colaboradores que devem ser armazenados por obrigações trabalhistas. Pela lei, o consentimento deve ser uma manifestação livre, informada e inequívoca, por meio da qual o titular concorda com o tratamento de seus dados pessoais para uma finalidade determinada, sendo que as autorizações genéricas serão nulas.

Além disso, o consentimento poderá ser revogado a qualquer momento pelo titular dos dados, sendo que ele deve ser informado das consequências da recusa ou revogação do consentimento.

A adequação de condomínios à LGPD não é uma tarefa simples. Para facilitar esse processo você pode contar com a Administradora de Condomínios da Imobiliária Jaeger. Pois é preciso conhecimento específico e uma análise jurídica cuidadosa para evitar erros e reduzir a chance de multas e ações judiciais.

Publicado em Condomínio

Como contratar uma Administradora de Condomínios

Condomínios residenciais, comerciais, verticais ou horizontais são uma tarefa complexa e repleta de responsabilidades, o empreendimento requer uma série de obrigações para quem o administra para um síndico. Sendo assim, o apoio de uma administradora de condomínios, como o da Imobiliária Jaeger, é imprescindível para auxiliar síndicos e conselhos nas funções, tornando o trabalho mais dinâmico e organizado.

O síndico deve observar que o valor dos honorários cobrados seja condizente com os serviços prestados. Vale lembrar que nem sempre o mais barato é o melhor para cuidar do patrimônio. Se possível, também solicite indicação para síndicos e/ou moradores satisfeitos de outros edifícios. Sempre desconfie de honorários muito baixos, é importante que o síndico fique atento à forma de cobrança e taxas extras envolvidas.

Aproveite e verifique o capital social, o quadro societário e o objeto social da administradora. Faça uma visita à empresa, é importante saber se a empresa possui um bom sistema que permite o síndico acompanhar a prestação de contas e movimentações financeiras do condomínio e, mais do que isso, o que mais ela oferece em termos de tecnologia, analise o contrato. A proposta da administradora deve ser apresentada ao conselho do condomínio. A escolha será do síndico e a aprovação será pela assembleia geral dos moradores. Com a contratação definida, o síndico deverá assinar o contrato de prestação de serviços em nome do condomínio.

“O artigo 1.348 do Código Civil, de 2002, trouxe a inovação de que o síndico pode transferir, total ou parcialmente, para a empresa administradora, não somente as funções administrativas, como também os poderes de representação. Tudo mediante aprovação da assembleia, salvo se o contrário dispuser a Convenção do condomínio.

Segue algumas considerações:

  • Também conta pontos a favor se a administradora conta com um seguro que garante a arrecadação caso o funcionário da administradora cometa algum ato de fraude ou se a própria empresa passar por um problema.
  • Peça à empresa as Certidões dos Distribuidores de Processos Cíveis, Criminais e Trabalhistas, tanto da pessoa jurídica como dos sócios. 
  • Solicite uma lista de condomínios administrados pela empresa e visite alguns.
  • Saber como será o relacionamento da empresa com os colaboradores do condomínio, cuidar da folha de pagamento e dos encargos trabalhistas.
  • Fazer um prognóstico não apenas dos gastos, mas também das necessidades do condomínio no próximo ano é algo que a empresa deve oferecer
  • É responsabilidade da empresa que impostos sejam pagos em dia
  • Cabe à administradora alertar o síndico sobre a renovação da apólice de seguros – e também se há necessidade de alteração no seguro
  • Aplicativos para acompanhar as demandas dos moradores e do síndico são uma realidade para diversos condomínios

A administração de condomínios da Imobiliária Jaeger possui conhecimento técnico e atenção a detalhes, sendo cumpridos de forma clara, objetiva. Com tratamento diferenciado na prestação de gestão condominial sobre diversas áreas, tais como: administrativa, organização de assembleias, cobrança amigável aos inadimplentes. Assim, assegurando que o caixa não fique no vermelho, financeiro, envio de notificações para que todo o processo seja mais neutro entre os condôminos, assessoria e acompanhamento de manutenções e preservação. Nas visitas periódicas nossa equipe garante que a limpeza esteja sempre em dia, que o jardim permaneça em bom estado, que as contas estejam em dia, visando sempre a redução de custos para melhor atender aos clientes sem perder a qualidade na execução. 

Publicado em Condomínio

Como Alugar seu imóvel mais rápido

Encontrar um inquilino rápido é um grande desafio para muitos proprietários e imobiliárias, pois um imóvel vazio significa prejuízo para os donos que além de não receber o valor do aluguel terá de tirar do próprio bolso as despesas como IPTU e condomínio do imóvel que está desocupado. Muitas imobiliárias com muitos imóveis livres, crise financeira no país e a dificuldade para encontrar um interessado dentro do esperado são alguns dos motivos que podem estar adiando o fechamento do contrato.

Porém, existem práticas que facilitam locar um imóvel de forma mais rápida.

Esse processo envolve muito mais coisas. Uma das dicas é divulgue o seu imóvel. O primeiro passo para divulgação de seu imóvel é ter bem claro qual é o público que você imagina que vá alugá-lo ou que você realmente esteja buscando. Se é um imóvel propenso a atrair estudantes, ou uma casa apropriada para uma família, você precisa ter uma ideia clara. Isso porque, sabendo disso, você pode construir o anúncio todo direcionado. As fotos podem mostrar o que é mais interessante para o público-alvo e convencê-lo mais rápido.

Prepare o seu imóvel para ser fotografado Certifique-se que está tudo em ordem no dia em forem tirar fotos do seu imóvel, lembre-se que as imagens são o primeiro contato do inquilino com a propriedade, e no momento que ele as vê já consegue identificar se atende ou não as suas necessidades e expectativas.

Boas imagens ajudam a acelerar o processo de decisão e a velocidade em que o negócio é fechado, da mesma maneira imagens ruins podem prejudicar a divulgação do imóvel.

As imagens de 360º dão mais detalhes ao seu visitante virtual. Uma boa imagem valoriza o imóvel, portanto, quanto mais detalhes maiores são as chances de fechar um negócio.

Foque na divulgação, coloque anúncio em todas as redes possíveis.

Outra dica é manter o imóvel conservado. É comum haver pequenas depreciações em imóveis, principalmente quando ele está em uso, por isso, no momento em que o seu imóvel estiver desocupado lembre-se de fazer os pequenos reparos que ele precisa, como pintura mal conservada, instalações elétricas ou hidráulicas com problemas, pisos soltos ou azulejos quebrados.

Além disso, quanto maior a demora para fazer esses reparos, mais problemas podem aparecer e ainda os existentes tendem a ficar piores. Conservar seu imóvel durante o período desocupado é fundamental. A grama pode crescer, a sujeira se acumular e, quando o futuro inquilino chegar, vai precisar encontrar tudo em ótimo estado. Não só quando alugar, mas essa conservação é importante inclusive para as visitas dos interessados.

Saiba negociar o valor do aluguel, Ter um preço fixo em sua cabeça pode ser um grande impedimento para fechar um aluguel. Isso porque muitas pessoas não abrem mão daquele valor, mas as vezes nem avaliaram se aquele preço é condizente, se o público-alvo pretende pagar aquilo, que a vizinhança tem um preço parecido e fatores do tipo. Na hora de negociar, muitas vezes, vale a pena alugar por um valor menor do que perder o negócio.

Todo proprietário precisa ter em mente que existem muitos outros imóveis disponíveis, inclusive na mesma região que a dele que podem atender as necessidades dos inquilinos. Por isso, quando receber uma proposta esteja aberto a negociações e tenha flexibilidade quanto ao valor proposto e as condições impostas pelos interessados. Esteja preparado para receber propostas de valor de aluguel, de reparos ou melhorias no imóvel e de seguros e garantias.

Por isso antes de colocar um valor para o seu imóvel peça ajuda da sua imobiliária ou corretor, eles irão te ajudar a estipular um valor competitivo ao realizar uma breve pesquisa na região para saber se o valor de aluguel do seu imóvel está compatível com as características dele e com as demais ofertas da região. Assim, aumentam as chances de locar um imóvel de forma mais rápida.

Busque por uma imobiliária que seja conhecida pela região, outro ponto que você deve observar é se os serviços oferecidos atendem às suas expectativas. Procure também por uma imobiliária que saiba usar a tecnologia para auxiliar na divulgação dos imóveis.

Atualmente o comportamento dos inquilinos mudou, eles aprenderam a pesquisar por imóveis na internet antes de entrar em contato com um corretor ou imobiliária e, é extremamente importante que seu imóvel esteja visível virtualmente.

A imobiliária Jaeger com seus 72 anos de experiência no ramo imobiliário além de tradicional, se mantem no mercado sendo uma imobiliária moderna em constante evolução. Hoje é possível alugar um imóvel conosco sem sair de casa, possuímos um site diariamente atualizado e tour 360°. Venha para a Jaeger viver esta experiência.

Publicado em Locação